Avançar para o conteúdo principal

Tempo de mudança


Sopram ventos de mudança em Fafe!

Sendo ainda muito cedo para se perceber se estas mudanças têm carácter permanente, é inegável que há uma nova dinâmica no executivo municipal.

A nova realidade na distribuição dos mandatos alterou, espero que de forma permanente, o relacionamento entre os munícipes e o município. Depois de muitos anos de uma câmara fechada sobre si mesma, é tempo de abrir as portas e torná-la a casa de todos os fafenses.

São pequenos sinais mas que apontam para um caminho de comunicação e proximidade: mais atenção ao site oficial, com novas funcionalidades, página oficial do facebook, reorganização interna, entre outros. Reconhecendo o pouco tempo de trabalho que este executivo leva, é motivo para nos sentirmos esperançados numa nova era. No entanto, este ímpeto traz uma responsabilidade de não esmorecer, de fazer mais, de ir mais longe. Comunicar, informar, abrir as portas é um bom princípio mas é necessário gerir, desburocratizar, motivar.

Gerir recursos financeiros e humanos porque a principal função dos eleitos é extrair o melhor proveito daquilo que têm à sua disposição e sendo o município um grande empregador a componente humana é fundamental no sucesso desta governação. Claro que os recursos financeiros são deveras importantes mas o capital humano pode substituir, com sucesso, muitas limitações económicas.

Desburocratizar é essencial. Tornar o acesso aos serviços mais célere, mais  eficaz e, acima de tudo, mais democrático. Colocar o máximo de serviços e informação online (em segurança) evitando deslocações desnecessárias aos serviços. Organizar os fluxos processuais para que não haja demoras injustificadas será uma das medidas mais simples, baratas e (se bem implementadas) muito eficazes.
Após um processo eleitoral "traumático", o executivo daí resultante tem função primordial na motivação. Internamente porque os serviços têm que acreditar na equipa política. Externamente porque todos precisamos de ser melhores e acreditar nos nossos dirigentes é um passo de gigante no caminho do sucesso.

Da minha parte, posso prometer que estarei vigilante e acredito que é possível fazer melhor.

Até já!!!!

Comentários

  1. Caro Ricardo,
    Começo por te cumprimentar pela iniciativa. A tua opinião é importante e sabes transmiti-la com isenção e clareza. Tê-la disponível é uma mais-valia para Fafe. É bom que quem tem algo para dizer o faça!
    Depois, e por muito estranho que possa parecer, agradeço-te a iniciativa. Sei o que custa “levantar o rabo da cadeira” e tentar fazer algo para ajudar a nossa terra a evoluir. Por isso, e para que conste, obrigado!
    Finalmente, desejar-te bom trabalho!
    Feito o intróito, deixa-me concordar contigo, esperando que este executivo faça mais e melhor que o anterior. Não me alongarei muito sobre isso, sob pena de politizar a questão...
    Tenho algum cepticismo sobre a capacidade que o Dr. Eugénio vai ter (ou as hipóteses que lhe vão dar) para desburocratizar e, fundamentalmente, criar condições de livre acesso e consulta aos processos camarários. Os interesses instalados são muito grandes e difíceis de combater. Será que a minoria Social-Democrata vai conseguir impor a vontade, tantas vezes expressa pelo Dr. Eugénio Marinho? Veremos…

    ResponderEliminar
  2. Miguel,
    As tuas palavras criam em mim uma grande responsabilidade.
    Agradeço o elogio embora, para já, não considero que seja merecido. Dá-me, isso sim, ânimo para merecer tais palavras.
    Quanto à tua desconfiança, aceito-a como natural numa pessoa que conheço em profundidade o assunto comentado. De certa forma também a partilho mas, no entanto, a minha "costela" optimista permite-me ver o futuro com olhos diferentes dos teus.
    Como disse no texto, cabe-nos a todos nós uma vigilância apertada ao desenrolar dos acontecimentos tendo a coragem de denunciar aquilo que não estiver a correr bem.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Obrigado pelo seu contributo.

Mensagens populares deste blogue

SELVAGENS!!!!

Imagem retirada de http://cm-fafe.pt
Volto a este espaço, há muito deserto, para expressar a minha repulsa pelas atitudes do Município de Fafe no abate arbitrário de árvores no espaço urbano.
Não há qualquer relatório que justifique estes atentados que quem nos governa (?) tem praticado até porque aquele que, supostamente escuda este "crime" não diagnostica nenhuma doença insanável. É terrorismo puro e simples que procura respaldo em técnicos de uma instituição respeitada.
Quem quiser ler o relatório encontrá-lo-á aqui .
Não está em questão o valor do património natural destes espécimes mas mais uma acção que demonstra a insensibilidade que habita na 5 de Outubro e que tinha sido bem demonstrada no ataque às árvores da Praça da Liberdade. 
Aproveito a oportunidade para lembrar que a Praça 25 de Abril sofreu uma profunda requalificação há não muito tempo e quem perder um bocadinho de tempo a ler o relatório de conforto que o Município divulgou constatará que os problemas san…

Grato pela atenção

Ao fim de 7 meses e 10.000 visualizações, sinto-me honrado pela atenção que dezenas de pessoas entendem dedicar aquilo que escrevo aqui. 
Confesso que, à partida, não tinha quaisquer expectativas acerca do impacto que a minha intervenção iria gerar ou do interesse que poderia suscitar. Foram vários os temas que foquei. Uns de carácter mais pessoal que reflectem o comprometimento que estabeleci. Outros de carácter mais interventivo, fruto da minha faculdade de pensar e ter opinião.
Reafirmo o meu compromisso de fidelidade às minhas ideias e à verdade. Doa a quem doer e sem medo de enfrentar, olhos nos olhos, quem, eventualmente, se sinta desconfortável com os meus textos. Nunca entrei, nem entrarei, em questões pessoais e a minha análise será sempre aos aspectos públicos de pessoas ou instituições.
Não posso deixar passar sem agradecer os vossos comentários (mantenho os comentários totalmente abertos e livres), as palavras de incentivo que muitos de vós me entregam quando nos encontram…

A Quinta do Confurco

Há uns anos atrás o município de Fafe adquiriu a chamada "Quinta do Confurco" para, ao que diziam, evitar que aí fosse plantada uma extensa área de eucaliptal. Iniciativa de louvar quer pela preservação da identidade da paisagem quer pela protecção daquela área em relação aos incêndios florestais (essa praga que, oportunamente, abordarei neste espaço).
Em 2012 novo passo foi dado para devolver aquele espaço à paisagem serrana: a reflorestação com espécies autóctones, projecto apoiado por verbas do "PRODER" e envolvendo a população nesse propósito. Até aqui tudo foi bem feito e, embora não tivesse sido pensado, a reacção a uma espécie de agressão foi rápida e incisiva. As minhas inquietações começam agora.  Quais são os planos do município para aquele activo (um grande activo, reforço) do nosso concelho? Antes de mais, na minha opinião, a defesa contra os já referidos incêndios deverá ser a maior preocupação.
Sabendo que o Turismo de Natureza é uma vertente que est…