Avançar para o conteúdo principal

Entrevista a Raul Cunha


Acabei de ler a entrevista do novo presidente da câmara ao Correio do Minho e confesso que gostei da dinâmica lá expressa.
Não que isso seja um sentimento que passa para os munícipes (pelo menos não chega até mim) mas pelo que representa de corte com o passado. O espírito é de abertura e concordo que é tempo de acabar com um estilo mais austero que emanava daquele edifício.
Reconhecendo as suas próprias falhas (não ter conseguido congregar o partido que o candidatou) a dimensão mais "terrena" manifesta-se. O espírito de diálogo com os parceiros de executivo e com a oposição sem pelouros é, na minha opinião, um sinal dos novos tempos. O passado mostrou-nos uma acção mais incisiva, alicerçada na maioria absoluta, com respeito pelas oposições mas sem lhes atribuir uma importância por aí além. 
Onde achei menos consistente a entrevista, curiosamente, foi na área da sua formação: a saúde.
Achei que a ideia que Raul Cunha tem do processo é ainda mais confusa do que a da generalidade da população. A rever.
Quanto a outros serviços públicos o que se nota é uma manifestação de impotência que, em abono da verdade, é absolutamente real mas que, politicamente, não "cola".
As questões orçamentais foram bem defendidas sendo que o factor tempo é decisivo para evitar a gestão por duodécimos até Fevereiro, pelo menos, o que remete para 2015 um orçamento com a marca da nova gestão embora a "porta" fique aberta para ajustes ao longo do ano.
Pessoalmente, fico satisfeito com a referência específica às áreas onde actuo em termos de QCA 2014-2020 fruto, também, da crescente influência do vereador do pelouro, Pompeu Martins.
Até já!


Comentários

Mensagens populares deste blogue

SELVAGENS!!!!

Imagem retirada de http://cm-fafe.pt
Volto a este espaço, há muito deserto, para expressar a minha repulsa pelas atitudes do Município de Fafe no abate arbitrário de árvores no espaço urbano.
Não há qualquer relatório que justifique estes atentados que quem nos governa (?) tem praticado até porque aquele que, supostamente escuda este "crime" não diagnostica nenhuma doença insanável. É terrorismo puro e simples que procura respaldo em técnicos de uma instituição respeitada.
Quem quiser ler o relatório encontrá-lo-á aqui .
Não está em questão o valor do património natural destes espécimes mas mais uma acção que demonstra a insensibilidade que habita na 5 de Outubro e que tinha sido bem demonstrada no ataque às árvores da Praça da Liberdade. 
Aproveito a oportunidade para lembrar que a Praça 25 de Abril sofreu uma profunda requalificação há não muito tempo e quem perder um bocadinho de tempo a ler o relatório de conforto que o Município divulgou constatará que os problemas san…

A MINHA LEITURA

Raúl Cunha ganhou!

Mais do que o PS. Mais do que a família Summavielle. Mais do que o "PS de Lisboa". Quem fez a diferença nestas eleições foi mesmo Raúl Cunha. O mais político dos não-políticos deu uma lição aos catedráticas dessa arte.
Numa noite eleitoral em que não vislumbro claros derrotados e em que, após uma campanha com episódios lamentáveis (especialmente nas redes sociais), a pequena diferença entre os dois primeiros classificados poderia levantar questões, o que se passou foi de grande maturidade democrática.
Excepção a isso foi um excerto de um comentário da candidata do PS à junta de freguesia de Fafe em que dizia "Lamento que Fafe não queira mais e melhor", demonstrando falta de humildade e de sentido democrático mas desculpável por ter sido proferido muito a quente.
Foi uma boa eleição. Espero que se siga um processo que conduza à governabilidade do nosso concelho. Não, necessariamente, uma coligação parecida com a do último mandato mas que seja enc…

TEMPOS DIFÍCEIS

Com a tomada de posse dos eleitos pelos resultados das eleições autárquicas, inicia-se um novo ciclo político em Fafe.
Adivinham-se dificuldades para o executivo que irá tentar governar em minoria e muito se espera da capacidade conciliadora do Presidente Raul Cunha. Não sendo um político de carreira, este tem demonstrado muita capacidade de "fazer pontes" e logo no discurso de investidura deixou bem claro que é isso que pretende fazer.
Ao contrário do mandato passado, a possibilidade de governar coligado com outra força política parece estar afastada restando, por isso, a negociação permanente de todas as decisões do executivo. O passado mostra que há imensos temas que são consensuais e não se prevê que agora passe a ser diferente.
Há outros temas que são mais discutíveis e é aí que deverão surgir dificuldades. 
Desde logo na constituição dos gabinetes de Presidente e vereadores. Este acto, vulgarmente usado para colocar pessoal político, deverá receber a oposição das rest…