Avançar para o conteúdo principal

Função Pública



Nos últimos anos muito se tem falado de funcionalismo público.
Desde os famosos aumentos do governo Sócrates em 2009 até ao programa de rescisões lançado pelo actual governo nunca esta força de trabalho tinha sido tão badalada. 
O crescente desprestígio das carreiras nos organismos do Estado é um caso interessante de análise. Não há muito tempo, um professor, por exemplo, era um figura prestigiada, respeitada e ouvida na nossa sociedade.
Hoje a carreira na função pública está descredibilizada seja pelo mau serviço prestado, seja pela sensação de que esta era uma via para se atingir benesses não alcançáveis no sector privado. O grande peso dos sindicatos e suas “jornadas de luta” podem ter desencadeado fenómenos de rejeição por parte daqueles tantos que sofrem as consequências dessas acções. O ataque a esta classe tem sido cerrado e, como em tudo, muito do que se diz é justo mas outro tanto nem por isso.
Como em tudo, no sector público há gente que até devia pagar para lá estar ao invés de receber um salário. No entanto, é de toda a justiça reconhecer que uma parte significativa é trabalhadora, dedicada, interessada e competente.
Há, também, a tendência de se confundir o funcionalismo público com os lugares de “pessoal político”, nada mais injusto, na minha opinião.
Estas linhas todas servem para partilhar uma pergunta que me tem passado pela cabeça: “com tanto ataque, desprestígio, desvalorização, desconsideração pela carreira, seria de esperar uma adesão massiva ao programa de rescisões voluntárias na função pública, ou não?”
Não haverá uma resposta única a esta pergunta mas uma imensidão de situações diferentes com uma particularidade, se calhar: a estabilidade e segurança são menores agora do que no passado mas continuam bastante maiores do que no privado.

Até já!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

SELVAGENS!!!!

Imagem retirada de http://cm-fafe.pt
Volto a este espaço, há muito deserto, para expressar a minha repulsa pelas atitudes do Município de Fafe no abate arbitrário de árvores no espaço urbano.
Não há qualquer relatório que justifique estes atentados que quem nos governa (?) tem praticado até porque aquele que, supostamente escuda este "crime" não diagnostica nenhuma doença insanável. É terrorismo puro e simples que procura respaldo em técnicos de uma instituição respeitada.
Quem quiser ler o relatório encontrá-lo-á aqui .
Não está em questão o valor do património natural destes espécimes mas mais uma acção que demonstra a insensibilidade que habita na 5 de Outubro e que tinha sido bem demonstrada no ataque às árvores da Praça da Liberdade. 
Aproveito a oportunidade para lembrar que a Praça 25 de Abril sofreu uma profunda requalificação há não muito tempo e quem perder um bocadinho de tempo a ler o relatório de conforto que o Município divulgou constatará que os problemas san…

A MINHA LEITURA

Raúl Cunha ganhou!

Mais do que o PS. Mais do que a família Summavielle. Mais do que o "PS de Lisboa". Quem fez a diferença nestas eleições foi mesmo Raúl Cunha. O mais político dos não-políticos deu uma lição aos catedráticas dessa arte.
Numa noite eleitoral em que não vislumbro claros derrotados e em que, após uma campanha com episódios lamentáveis (especialmente nas redes sociais), a pequena diferença entre os dois primeiros classificados poderia levantar questões, o que se passou foi de grande maturidade democrática.
Excepção a isso foi um excerto de um comentário da candidata do PS à junta de freguesia de Fafe em que dizia "Lamento que Fafe não queira mais e melhor", demonstrando falta de humildade e de sentido democrático mas desculpável por ter sido proferido muito a quente.
Foi uma boa eleição. Espero que se siga um processo que conduza à governabilidade do nosso concelho. Não, necessariamente, uma coligação parecida com a do último mandato mas que seja enc…

TEMPOS DIFÍCEIS

Com a tomada de posse dos eleitos pelos resultados das eleições autárquicas, inicia-se um novo ciclo político em Fafe.
Adivinham-se dificuldades para o executivo que irá tentar governar em minoria e muito se espera da capacidade conciliadora do Presidente Raul Cunha. Não sendo um político de carreira, este tem demonstrado muita capacidade de "fazer pontes" e logo no discurso de investidura deixou bem claro que é isso que pretende fazer.
Ao contrário do mandato passado, a possibilidade de governar coligado com outra força política parece estar afastada restando, por isso, a negociação permanente de todas as decisões do executivo. O passado mostra que há imensos temas que são consensuais e não se prevê que agora passe a ser diferente.
Há outros temas que são mais discutíveis e é aí que deverão surgir dificuldades. 
Desde logo na constituição dos gabinetes de Presidente e vereadores. Este acto, vulgarmente usado para colocar pessoal político, deverá receber a oposição das rest…