Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

CAMPANHA RIDÍCULA

A três semanas das eleições autárquicas a campanha das candidaturas concorrentes ao município de Fafe ainda não trouxe uma única ideia que valesse a pena ser discutida! 
Isso demonstra que os nossos políticos continuam a tratar o eleitorado como um bando de anormais que querem é festa. Uns com porco no espeto, outros com festivais da vitela (com a agravante desta última ser paga por todos nós).
Muito presentes nas redes sociais é aqui que tenho visto o quão pobres são as candidaturas. "Em Fafe mandam os fafenses", "O PS só tem uma candidatura", Os Independentes são eles,etc, etc!!!!!
A tentativa de impugnação das listas da coligação "Fafe Sempre" pela candidatura do PS foi o último acto da tragicomédia que estes actores têm representado.
Os programas eleitorais, que deveriam ser uma espécie de contrato entre os candidatos e o eleitorado, mantêm-se guardados à espera não sei bem do quê. A tão pouco tempo da eleição pouco se sabe sobre as próprias listas. Porqu…
Mensagens recentes

Revisitar Programas Eleitorais

Este fim de semana, por causa de um pedido de colaboração de um amigo meu, revisitei os programas eleitorais que PS, PSD e IPF apresentaram aos eleitores em 2013.
Começo a minha apreciação pelo do PS que teve a responsabilidade principal na governação do município ao longo destes 4 anos. O programa era minimalista, próprio de quem estava habituado a ganhar eleições com "serviços mínimos". Ainda assim, com uma imagem e estrutura diferentes do habitual, as ideias principais foram apresentadas de forma muito genérica e permito-me concluir que se manteve muitas das coisas boas que vinham da gestão anterior e se lançaram projectos novos, principalmente na área da animação e da comunicação. Algumas coisas ficaram por fazer e algumas delas (como o Gabinete de apoio ao Investidor ou a proximidade entre os serviços e os cidadãos).
Grande bandeira da intervenção do PSD na governação do município será o encerramento de alguns processos "encravados" durante anos. A revisão do…

COLADORES DE CARTAZES

A 4 meses das eleições autárquicas o ambiente político em Fafe está efervescente!
As redes sociais deram novas ferramentas aos candidatos e estes têm-se fartado de as usar, principalmente os que estão fora do "palco" da governação municipal. Os que estão nesses lugares tiram proveito do que fazem para fazer a sua propaganda.
Quer as candidaturas quer os seus apoiantes (mais ou menos fervorosos) espalham os seus pontos de vista, defendem a sua "dama", criticam os oponentes. Ou seja, apimentam esta pré´-pré-campanha. Até agora poucas ideias se viram, ouviram ou leram. Pelo menos, de uma forma estruturada. Claro que é cedo para isso mas o único vislumbre de uma coisa dessas está a ser feita por Eugénio Marinho numas iniciativas "intimistas" e temáticas.
Também não se conhecem equipas e, para mim, é fundamental conhecer quem acompanha os cabeças de lista, pois sem uma boa equipa não pode haver boa governação. Neste particular a candidatura socialista está ma…

As saudades que (não) tinha disto!

Os últimos tempos têm sido marcados por uma grande agitação.
Sinal dos tempos acelerados que vivemos e da urgência que colocamos nas coisas. O infame urgente que não nos deixa tratar daquilo que é importante.
Da política, ao desporto. Da religião aos temas mais sociais tudo tem estado ao rubro neste canteiro à beira-mar plantado. Muitas vezes me interrogo se será o efeito Marcelo. O contágio do frenesim do nosso Presidente a todos nós. 
Não! Não me parece. São mesmo outros tempos e temos de nos adaptar.

Tudo o que é dito ou escrito é amplificado mas, também, rapidamente abafado pela "next big thing". Parece-me que se fala muito e se pensa pouco. Isso não pode ser um bom sinal! Acresce que os social media são ferramentas poderosas para os cobardes e mal-intencionados. Principalmente contra os que não se inibem de se expressar.
Não serão ameaças e insultos que me calarão se e quando entender dizer algo. Admito não ser a pessoa mais consensual do mundo mas também não sou um extremis…

Momento da verdade

Entrando na segunda metade do mandato autárquico, a coligação que governa o concelho de Fafe dá mostras que o caminho vai começar a ter algumas "pedras".
Aparentemente, é chegada a altura de separar o trabalho dos vereadores pelo partido que os elegeu. Há uns meses que os vereadores eleitos pelo PSD haviam optado por comunicar as suas intervenções de uma forma independente, em relação ao restante executivo.
O voto de aprovação do Plano e Orçamento para 2016 foi objecto de justificação por parte do PSD como sendo documentos em linha com o programa que o partido levou às eleições de 2013. Isso tem sido realçado, nos últimos dias, através de uma comunicação forte, principalmente, nas páginas de Facebook dos vereadores (para além de algumas páginas pessoais).
Parece ser um sinal que 2016 será o inicio da demarcação entre os parceiros de coligação. Espero que isso não afecte o relacionamento institucional entre a vereação e que o município continue a ser governável. Haverá, com …

PORTUGAL 2015

Este espaço tem andado "adormecido" muito à imagem de um país em suspenso das decisões dos nossos políticos. De facto, os acontecimentos têm sido tantos e tão rápidos que tenho sido surpreendido pela sua dinâmica que não permite uma opinião amadurecida.
Nesta altura dos acontecimentos quero deixar o meu agradecimento ao Primeiro-Ministro ontem derrubado pelo trabalho desenvolvido pelo seu anterior governo. Não estendo esse cumprimento ao seu vice porque entendo que não o merece, embora no seu partido, o CDS, haja quem também tenha "remado" na mesma direcção.
Infelizmente não iremos ver o que faria Passos Coelho numa conjuntura diferente mas o resultado das eleições ditaram este possível arranjo. Quando decidi votar na coligação "Portugal à Frente" optei pela proposta que me parecia a mais confiável e disso não me arrependo.
Aparentemente, será a vez do PS formar o seu governo. Confesso que gosto de muitas coisas que estão no seu programa mas desconfio (a…

O novo mapa político

Portugal escolheu mudar...poucochinho!!!!
É um facto indesmentível que a coligação Portugal à Frente foi a força política mais votada. Ainda não é um facto (embora seja provável) que o PSD seja o partido político com mais mandatos na AR ontem eleita. É um facto que a tão aclamada campanha do BE teve reflexo na votação obtida com um crescimento exponencial do número de deputados. É um facto que, em relação a 2001, o PS subiu a sua votação, elegeu mais deputados e contribuiu para retirar a maioria absoluta aos partidos que governaram nos últimos anos. 
Factos que são traduzidos pela votação de ontem que viu a abstenção subir novamente e que muito provavelmente terá a sua explicação na quantidade de inscritos que não estão no país.
Curiosamente, o maior de todos os derrotados de ontem é António Costa que, mais do que não ganhar a eleição, conseguiu perder, algo que poucos acreditariam ser possível há não muito tempo. O mesmo António Costa que "despediu" o anterior líder do par…