Avançar para o conteúdo principal

Quem tem medo da "Monarquia"?



Muito se fala, em Fafe, na dinastia Summavielle e de um suposto assalto ao poder local!
O inenarrável presidente da Assembleia Municipal chegou a pedir ao Parcídio Summavielle para não se voltar a candidatar!!! 
Porque não!? 
Aparentemente, Laurentino Dias estende a lei de limitação de mandatos às tentativas para ser eleito. Anedótico.
Tenho lido que há um projecto de poder da família Summavielle. Nunca ninguém explicou o que era isso mas o que se infere é que seria uma espécie de "golpe de estado".
Tudo isso está vertido em expressões como: "feudos senhoriais", "animais políticos desejosos de sangue", "dissidentes comprometidos", "grupo de amigos criado por eles e para eles e por isso só existe com eles", "mais que sede, tem febre e ganância de poder", "menino do papá"  que, numa busca rápida, encontrei publicadas.
Quem tem medo da família Summavielle?
Tanto quanto eu sei, em Fafe não foi implantado nenhum regime monárquico, por isso, as sucessões dinásticas não se aplicam. Como tal, o Parcídio (filho) tem liderado listas candidatas ao executivo municipal. Não ganhou e tem ocupado (com intermitências) o seu lugar de vereador.
Onde está o perigo disto!?
Se Parcídio (pai) teria orgulho que o filho ocupasse a "cadeira" que já foi sua? Imagino que sim e não percebo o que isso tem de anormal.
Não ouvi nenhum dos críticos acima citados atacar um ponto que fosse do programa da lista dos IPF. Não ouvi ninguém dizer que o Parcídio não tinha qualidades técnicas ou humanas para o cargo. Li algumas críticas aos restantes elementos da sua lista e eu até estou inclinado para lhes dar alguma razão, particularmente na escolha do nº 2 que, na minha humilde opinião, foi uma menos-valia para a equipa. 
Eu teria muitas interrogações acerca do seu programa (que tinha uma grande carga demagógica e populista, na minha opinião), da sua campanha (que arrancou tarde), de escolhas que fez (a ausência no debate foi, aparentemente, um erro crasso) e da gestão dos resultados.
Claro que, como todos os decisores, tem cometido erros. Uns mais graves do que outros. Até hoje não conheço nenhuma consequência negativa para Fafe derivada de algum erro ou omissão de Parcídio por muito que queiram amplificar as declarações sobre a legalidade das últimas eleições.
Ele até pode ser, apenas, "o filho do Dr Parcidio", como dizia o Hernâni von Doellinger em "Esmiuçando as Pândegas Eleições de Fafe" mas quer ser mais e ninguém lhe pode negar o direito a querer. 
Podemos negar-lhe o voto mas não o sonho.
Até já!!!!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

SELVAGENS!!!!

Imagem retirada de http://cm-fafe.pt
Volto a este espaço, há muito deserto, para expressar a minha repulsa pelas atitudes do Município de Fafe no abate arbitrário de árvores no espaço urbano.
Não há qualquer relatório que justifique estes atentados que quem nos governa (?) tem praticado até porque aquele que, supostamente escuda este "crime" não diagnostica nenhuma doença insanável. É terrorismo puro e simples que procura respaldo em técnicos de uma instituição respeitada.
Quem quiser ler o relatório encontrá-lo-á aqui .
Não está em questão o valor do património natural destes espécimes mas mais uma acção que demonstra a insensibilidade que habita na 5 de Outubro e que tinha sido bem demonstrada no ataque às árvores da Praça da Liberdade. 
Aproveito a oportunidade para lembrar que a Praça 25 de Abril sofreu uma profunda requalificação há não muito tempo e quem perder um bocadinho de tempo a ler o relatório de conforto que o Município divulgou constatará que os problemas san…

A MINHA LEITURA

Raúl Cunha ganhou!

Mais do que o PS. Mais do que a família Summavielle. Mais do que o "PS de Lisboa". Quem fez a diferença nestas eleições foi mesmo Raúl Cunha. O mais político dos não-políticos deu uma lição aos catedráticas dessa arte.
Numa noite eleitoral em que não vislumbro claros derrotados e em que, após uma campanha com episódios lamentáveis (especialmente nas redes sociais), a pequena diferença entre os dois primeiros classificados poderia levantar questões, o que se passou foi de grande maturidade democrática.
Excepção a isso foi um excerto de um comentário da candidata do PS à junta de freguesia de Fafe em que dizia "Lamento que Fafe não queira mais e melhor", demonstrando falta de humildade e de sentido democrático mas desculpável por ter sido proferido muito a quente.
Foi uma boa eleição. Espero que se siga um processo que conduza à governabilidade do nosso concelho. Não, necessariamente, uma coligação parecida com a do último mandato mas que seja enc…

Grato pela atenção

Ao fim de 7 meses e 10.000 visualizações, sinto-me honrado pela atenção que dezenas de pessoas entendem dedicar aquilo que escrevo aqui. 
Confesso que, à partida, não tinha quaisquer expectativas acerca do impacto que a minha intervenção iria gerar ou do interesse que poderia suscitar. Foram vários os temas que foquei. Uns de carácter mais pessoal que reflectem o comprometimento que estabeleci. Outros de carácter mais interventivo, fruto da minha faculdade de pensar e ter opinião.
Reafirmo o meu compromisso de fidelidade às minhas ideias e à verdade. Doa a quem doer e sem medo de enfrentar, olhos nos olhos, quem, eventualmente, se sinta desconfortável com os meus textos. Nunca entrei, nem entrarei, em questões pessoais e a minha análise será sempre aos aspectos públicos de pessoas ou instituições.
Não posso deixar passar sem agradecer os vossos comentários (mantenho os comentários totalmente abertos e livres), as palavras de incentivo que muitos de vós me entregam quando nos encontram…