Avançar para o conteúdo principal

TURISMO EM FAFE


Foto retirada de www.cm-fafe.pt
Ao contrário do que tem sido voz corrente nos últimos tempos, Fafe não tem grande potencial turístico. Essa é, infelizmente, a nossa realidade.

Apesar disso há espaço para trabalharmos nessa área e fazermos coisas interessantes. Não temos património edificado mas temos património natural. Não temos grandes massas de água mas temos uma grande “teia” de percursos pedestres. Não temos praias mas temos a gastronomia. Não temos clima tropical mas temos tradições.

Nesta perspectiva e tendo em conta que quando falamos de turismo falamos de experiências, a aposta de um destino como Fafe tem de ser na qualidade daquilo que se oferece a quem nos visita. A começar na recepção e terminando na despedida o tratamento ao turista tem de ser consentâneo com a hospitalidade minhota: afável, educado, atencioso mas deixando ao “hóspede” a necessária liberdade.

Depois precisamos de apresentar infra-estruturas de qualidade e serviços de apoio adequados à qualidade que queremos oferecer. Serviços de saúde, segurança, vias de comunicação, sinalização, informação turística devem corresponder às expectativas dos agentes turísticos e do visitante. Assim o visitante sentirá que a sua importância é reconhecida. Paralelamente, os residentes sairão beneficiados pela atenção dedicada a esses pontos.

Outros serviços complementares, nomeadamente a restauração, devem aumentar a qualidade da experiência. Este é um serviço que origina deslocações e poderá ser um factor que influencia a decisão da viagem.

Os eventos são outro ingrediente de grande importância do nosso produto. Sejam eles de carácter cultural, desportivo, etnográfico, religioso ou outro, deve haver coerência na construção da agenda destes acontecimentos e maximizar a oportunidade de termos forasteiros na nossa terra para lhes potenciarmos a experiência.

Importante mesmo é haver uma estratégia bem definida e procurar os instrumentos para a perseguirmos. Aqui entra, com particular importância, o sector público. Em estreita colaboração com os agentes privados, o município deve traçar caminhos, ser agregador de vontades e intenções, não cedendo à tentação de ser, ele próprio, um player no mercado.

A função de coordenar, moderar e incentivar é de suma importância. Sendo desempenhada por uma entidade sem interesse directo confere uma credibilidade superior e aí a parte pública está a desempenhar o seu papel.

Noutro âmbito, cabe-lhe promover o aparecimento de formação adequada à estratégia traçada dialogando com as instituições de ensino vocacionadas para a área dos serviços incentivando a que a oferta se ajuste às necessidades.

Se houver esta conjugação de esforços entre todos acredito que o turismo poderá ser uma boa muleta às actividades económicas do concelho. Estas, por sua vez, também ajudarão o sector a crescer sustentadamente entrando num ciclo virtuoso.


Assim sejamos todos capazes!

Até já!!!!

Nota: este texto foi publicado na revista  Alfa nº 6

Comentários

  1. A realidade é sempre o melhor ponto de partida. Não desistas, Ricardo, nem que tenhas de fazer desenhos. "Eles" vão acabar por aprender.
    Parabéns pelo texto, que é uma excelente cartilha para princípio de conversa. Abraço.

    ResponderEliminar
  2. Não posso desistir, Hernâni. Isto é o que faço todos os dias. Eu trabalho na área, estudei para isso, penso o turismo. Para desenho é que não tenho jeito nenhum :))))
    Fico contente por teres gostado do texto que reflecte uma visão, a minha, daquilo que podemos ter em Fafe.
    Na mesma revista podem ser encontrados outros textos com belas ideias que complementam as que aqui expresso.
    Um abraço

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Obrigado pelo seu contributo.

Mensagens populares deste blogue

SELVAGENS!!!!

Imagem retirada de http://cm-fafe.pt
Volto a este espaço, há muito deserto, para expressar a minha repulsa pelas atitudes do Município de Fafe no abate arbitrário de árvores no espaço urbano.
Não há qualquer relatório que justifique estes atentados que quem nos governa (?) tem praticado até porque aquele que, supostamente escuda este "crime" não diagnostica nenhuma doença insanável. É terrorismo puro e simples que procura respaldo em técnicos de uma instituição respeitada.
Quem quiser ler o relatório encontrá-lo-á aqui .
Não está em questão o valor do património natural destes espécimes mas mais uma acção que demonstra a insensibilidade que habita na 5 de Outubro e que tinha sido bem demonstrada no ataque às árvores da Praça da Liberdade. 
Aproveito a oportunidade para lembrar que a Praça 25 de Abril sofreu uma profunda requalificação há não muito tempo e quem perder um bocadinho de tempo a ler o relatório de conforto que o Município divulgou constatará que os problemas san…

Grato pela atenção

Ao fim de 7 meses e 10.000 visualizações, sinto-me honrado pela atenção que dezenas de pessoas entendem dedicar aquilo que escrevo aqui. 
Confesso que, à partida, não tinha quaisquer expectativas acerca do impacto que a minha intervenção iria gerar ou do interesse que poderia suscitar. Foram vários os temas que foquei. Uns de carácter mais pessoal que reflectem o comprometimento que estabeleci. Outros de carácter mais interventivo, fruto da minha faculdade de pensar e ter opinião.
Reafirmo o meu compromisso de fidelidade às minhas ideias e à verdade. Doa a quem doer e sem medo de enfrentar, olhos nos olhos, quem, eventualmente, se sinta desconfortável com os meus textos. Nunca entrei, nem entrarei, em questões pessoais e a minha análise será sempre aos aspectos públicos de pessoas ou instituições.
Não posso deixar passar sem agradecer os vossos comentários (mantenho os comentários totalmente abertos e livres), as palavras de incentivo que muitos de vós me entregam quando nos encontram…

A Quinta do Confurco

Há uns anos atrás o município de Fafe adquiriu a chamada "Quinta do Confurco" para, ao que diziam, evitar que aí fosse plantada uma extensa área de eucaliptal. Iniciativa de louvar quer pela preservação da identidade da paisagem quer pela protecção daquela área em relação aos incêndios florestais (essa praga que, oportunamente, abordarei neste espaço).
Em 2012 novo passo foi dado para devolver aquele espaço à paisagem serrana: a reflorestação com espécies autóctones, projecto apoiado por verbas do "PRODER" e envolvendo a população nesse propósito. Até aqui tudo foi bem feito e, embora não tivesse sido pensado, a reacção a uma espécie de agressão foi rápida e incisiva. As minhas inquietações começam agora.  Quais são os planos do município para aquele activo (um grande activo, reforço) do nosso concelho? Antes de mais, na minha opinião, a defesa contra os já referidos incêndios deverá ser a maior preocupação.
Sabendo que o Turismo de Natureza é uma vertente que est…