Avançar para o conteúdo principal

Fafense orgulhoso


Nascido e criado nesta cidade (na minha infância, vila), sou um fafense orgulhoso das minhas raízes. Hoje, passo a maior parte do meu tempo entre duas freguesias do concelho, Arões (Santa Cristina), onde vivo, e Cepães, onde trabalho.

Este parágrafo serve como nota justificativa à minha intervenção pública, em várias plataformas, que alguns já viram como tendo outras intenções para além do amor à terra, aliado à capacidade de pensar. Se a isso aliarmos o gosto pela escrita e alguma dose de coragem para se dizer o que se pensa, penso que está encontrada a justificação para os meus actos.

Nos últimos dias tenho-me deliciado com algumas das "pérolas" do nosso concelho: os percursos pedestres, a barragem de Queimadela, o renovado recinto da feira semanal e o esmagador verde da nossa zona norte. O verão tímido não retira pitada às nossas belezas e tenho pena daqueles que, por uma razão ou outra, não capitalizam estes recursos. 

Cada vez mais me convenço que Fafe tem aquele "não sei o quê" capaz de nos fazer reconciliar connosco próprios, de expurgar energias negativas que vamos acumulando e nos devolver a paz que precisamos para enfrentar os tempos difíceis que vivemos.


Claro que é mais fácil dizer mal de tudo o que nos rodeia, das decisões das autoridades, do vizinho ou do seu cão. Prefiro seguir outro caminho e ressaltar aquilo que temos de bom e tentar influenciar a decisão de melhorar aquilo que temos de mais frágil. E é, ainda, tanta coisa!

Permitam-me destacar a falta de saneamento básico (uma vergonha municipal), a poluição das linhas de água e a conivente passividade das autoridades, a falta de uma verdadeira política para a juventude, uma relação mais próxima, transparente e leal entre os decisores e a população e, ainda, alguns "pontos negros" urbanísticos.

Acredito que quem levantar a sua voz tem, hoje, maior probabilidade de ser ouvido desde que cumpra, também, as regras da civilidade, seja realista e saiba justificar as suas "reivindicações". Tenho ouvido muita coisa com sentido, muitas observações pertinentes, muitas ideias e isso faz-me crer numa sociedade mais participada e mais "nossa".

Saibam os nossos políticos extrair essa vontade de ser parte de um todo e sairemos todos a ganhar. Eles também porque, afinal, a avaliação de um mandato deve ser feita pelas realizações e não pela origem das ideias e, afinal, ninguém sabe tudo nem faz tudo bem.

Até já!!!!

Comentários

  1. O segredo da coisa está no quarto parágrafo. Fafe tem realmente esse "não sei o quê", como lhe chama o Ricardo Gonçalves, que nos lava a alma. Eu sinto isso: cada vez mais, quantas vezes menos aí vou. Subo aos nossos montes e, confesso, comovo-me. Retempero-me.
    De geografia estamos, portanto, servidos. Já só faltam as pessoas certas. Ou as atitudes certas. Conto com o Ricardo.
    (O Ricardo, que é um chato. Lá vou eu agora copiar um número, só para provar que não sou um robô.)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Obrigado pelo seu contributo.

Mensagens populares deste blogue

SELVAGENS!!!!

Imagem retirada de http://cm-fafe.pt
Volto a este espaço, há muito deserto, para expressar a minha repulsa pelas atitudes do Município de Fafe no abate arbitrário de árvores no espaço urbano.
Não há qualquer relatório que justifique estes atentados que quem nos governa (?) tem praticado até porque aquele que, supostamente escuda este "crime" não diagnostica nenhuma doença insanável. É terrorismo puro e simples que procura respaldo em técnicos de uma instituição respeitada.
Quem quiser ler o relatório encontrá-lo-á aqui .
Não está em questão o valor do património natural destes espécimes mas mais uma acção que demonstra a insensibilidade que habita na 5 de Outubro e que tinha sido bem demonstrada no ataque às árvores da Praça da Liberdade. 
Aproveito a oportunidade para lembrar que a Praça 25 de Abril sofreu uma profunda requalificação há não muito tempo e quem perder um bocadinho de tempo a ler o relatório de conforto que o Município divulgou constatará que os problemas san…

Grato pela atenção

Ao fim de 7 meses e 10.000 visualizações, sinto-me honrado pela atenção que dezenas de pessoas entendem dedicar aquilo que escrevo aqui. 
Confesso que, à partida, não tinha quaisquer expectativas acerca do impacto que a minha intervenção iria gerar ou do interesse que poderia suscitar. Foram vários os temas que foquei. Uns de carácter mais pessoal que reflectem o comprometimento que estabeleci. Outros de carácter mais interventivo, fruto da minha faculdade de pensar e ter opinião.
Reafirmo o meu compromisso de fidelidade às minhas ideias e à verdade. Doa a quem doer e sem medo de enfrentar, olhos nos olhos, quem, eventualmente, se sinta desconfortável com os meus textos. Nunca entrei, nem entrarei, em questões pessoais e a minha análise será sempre aos aspectos públicos de pessoas ou instituições.
Não posso deixar passar sem agradecer os vossos comentários (mantenho os comentários totalmente abertos e livres), as palavras de incentivo que muitos de vós me entregam quando nos encontram…

A Quinta do Confurco

Há uns anos atrás o município de Fafe adquiriu a chamada "Quinta do Confurco" para, ao que diziam, evitar que aí fosse plantada uma extensa área de eucaliptal. Iniciativa de louvar quer pela preservação da identidade da paisagem quer pela protecção daquela área em relação aos incêndios florestais (essa praga que, oportunamente, abordarei neste espaço).
Em 2012 novo passo foi dado para devolver aquele espaço à paisagem serrana: a reflorestação com espécies autóctones, projecto apoiado por verbas do "PRODER" e envolvendo a população nesse propósito. Até aqui tudo foi bem feito e, embora não tivesse sido pensado, a reacção a uma espécie de agressão foi rápida e incisiva. As minhas inquietações começam agora.  Quais são os planos do município para aquele activo (um grande activo, reforço) do nosso concelho? Antes de mais, na minha opinião, a defesa contra os já referidos incêndios deverá ser a maior preocupação.
Sabendo que o Turismo de Natureza é uma vertente que est…