Avançar para o conteúdo principal

VERNIZ ESTALADO




Fiquei, sinceramente, surpreendido com as declarações de José Augusto Sousa, anterior líder do PSD-Fafe, impressas no Notícias de Fafe.

Sabe-se agora que ele não aprovou a entrada dos candidatos do seu partido no executivo camarário, conferindo estabilidade à governação. Segundo depreendo, agora é uma suposição minha, ele preferia o PS a governar sozinho e em minoria com a instabilidade daí inerente à solução estável encontrada com a entrada de dois vereadores do seu partido.

Fazendo uma leitura das suas declarações, a entrada desses dois vereadores corresponde a um projecto pessoal de ambição de poder prejudicando, assim, a estratégia eleitoral do PSD concelhio em futuras eleições.

Assume, ainda, a grande derrota eleitoral mas logo se apressa a deitar as culpas ao candidato que ele próprio escolheu. 

Na minha opinião, fez muito bem retirar-se da corrida a novo mandato (se bem que não tenha fechado a porta a futuras candidaturas) porque, aparentemente, foi derrotado pelo eleitorado e pelo seu próprio partido. 

Estranho esta posição, agora pública, até porque foi amplamente divulgado e nunca negado que as negociações para o estabelecimento do acordo de governação tiveram a sua participação. Se não concordava porque negociou? Ou era, apenas, um "pombo-correio"?

Assume a responsabilidade pelo mau resultado eleitoral, algo que só lhe fica bem. Más escolhas todos fazemos e não vejo motivo para se recriminar por ter errado no cabeça de lista à câmara mas foi só essa a má escolha dele? Em tantos candidatos!!! Não me parece. Achei muito pouco elegante essa referência mas as palavras ficam com quem as profere.

O que mais me importa é a sua preferência pela estratégia futura do PSD em desfavor da estabilidade da governação. Agora sabemos que o Dr José Augusto preferia o clima de guerrilha à colaboração dos seus vereadores na governação do nosso concelho. Mais uma vez, as palavras ficam com o seu dono!

Por último e não sendo conhecedor do regimento interno dos partidos, calculo que houvesse formas de "isolar" os vereadores que se quiseram "atrelar ou acorrentar ao poder" retirando-lhes a confiança política ou coisa parecida. 

Ou será isto sinal que o antigo líder do PSD - Fafe era um homem só na estrutura partidária?

Até já!!!!






Comentários

  1. Gostei do "esclarecimento" de José Augusto Sousa que li no blogue Comboio de Fafe. Estava muito bem construído - o que, para mim, é novidade em Fafe - e resumia-se ao essencial. Como ensinava o Ary, "há que dizer-se das coisas o somenos que elas são". Quanto ao resto, vaidadezinhas, vaidadezinhas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O JAS escreve bem e tem esse poder de "agarrar" as pessoas que o lêem. Outra coisa é a acção política que são a origem desse texto. Aí, ou não disse tudo o que era essencial ou, então, fui eu que não soube ler nas "entrelinhas".

      Eliminar
  2. O texto publicado é típico de um individuo desmiolado, presumindo-se que na sua génese está patente o síndrome da desorientação psíquica, própria de um "mal formado".

    ResponderEliminar
  3. Ricardo, deixo um comentáro (post) no meu blog... era muita coisa, abraço.

    Fica o link: http://pedromiguelsousa.blogspot.pt/2014/04/caldo-entornado-na-seccao-do-psd-de-fafe.html

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Obrigado pelo seu contributo.

Mensagens populares deste blogue

SELVAGENS!!!!

Imagem retirada de http://cm-fafe.pt
Volto a este espaço, há muito deserto, para expressar a minha repulsa pelas atitudes do Município de Fafe no abate arbitrário de árvores no espaço urbano.
Não há qualquer relatório que justifique estes atentados que quem nos governa (?) tem praticado até porque aquele que, supostamente escuda este "crime" não diagnostica nenhuma doença insanável. É terrorismo puro e simples que procura respaldo em técnicos de uma instituição respeitada.
Quem quiser ler o relatório encontrá-lo-á aqui .
Não está em questão o valor do património natural destes espécimes mas mais uma acção que demonstra a insensibilidade que habita na 5 de Outubro e que tinha sido bem demonstrada no ataque às árvores da Praça da Liberdade. 
Aproveito a oportunidade para lembrar que a Praça 25 de Abril sofreu uma profunda requalificação há não muito tempo e quem perder um bocadinho de tempo a ler o relatório de conforto que o Município divulgou constatará que os problemas san…

A MINHA LEITURA

Raúl Cunha ganhou!

Mais do que o PS. Mais do que a família Summavielle. Mais do que o "PS de Lisboa". Quem fez a diferença nestas eleições foi mesmo Raúl Cunha. O mais político dos não-políticos deu uma lição aos catedráticas dessa arte.
Numa noite eleitoral em que não vislumbro claros derrotados e em que, após uma campanha com episódios lamentáveis (especialmente nas redes sociais), a pequena diferença entre os dois primeiros classificados poderia levantar questões, o que se passou foi de grande maturidade democrática.
Excepção a isso foi um excerto de um comentário da candidata do PS à junta de freguesia de Fafe em que dizia "Lamento que Fafe não queira mais e melhor", demonstrando falta de humildade e de sentido democrático mas desculpável por ter sido proferido muito a quente.
Foi uma boa eleição. Espero que se siga um processo que conduza à governabilidade do nosso concelho. Não, necessariamente, uma coligação parecida com a do último mandato mas que seja enc…

Grato pela atenção

Ao fim de 7 meses e 10.000 visualizações, sinto-me honrado pela atenção que dezenas de pessoas entendem dedicar aquilo que escrevo aqui. 
Confesso que, à partida, não tinha quaisquer expectativas acerca do impacto que a minha intervenção iria gerar ou do interesse que poderia suscitar. Foram vários os temas que foquei. Uns de carácter mais pessoal que reflectem o comprometimento que estabeleci. Outros de carácter mais interventivo, fruto da minha faculdade de pensar e ter opinião.
Reafirmo o meu compromisso de fidelidade às minhas ideias e à verdade. Doa a quem doer e sem medo de enfrentar, olhos nos olhos, quem, eventualmente, se sinta desconfortável com os meus textos. Nunca entrei, nem entrarei, em questões pessoais e a minha análise será sempre aos aspectos públicos de pessoas ou instituições.
Não posso deixar passar sem agradecer os vossos comentários (mantenho os comentários totalmente abertos e livres), as palavras de incentivo que muitos de vós me entregam quando nos encontram…