Avançar para o conteúdo principal

Reflexões - Notas Soltas



Nos últimos dias tenho sido encorajado a continuar a escrever aqui.
Muito me envaideço por isso e assumo a responsabilidade de continuar a exprimir as minhas opiniões. Sem procurar a polémica mas, também, sem a evitar.
Dos últimos dias retenho algumas ideias:
  • Daqui a dias começa novo "Carnaval Político". Congresso do CDS, Congresso do PSD, reuniões várias, final do programa de assistência, eleições europeias. UFA!!!
  • Depois de todos os sacrifícios que temos feito, continuamos sem perceber o objectivo, ou seja, continuamos à mercê de qualquer aventureiro que venha destruir o esforço feito nos últimos anos. Não há uma ideia, um caminho, uma estratégia e isso é que é preocupante.
  • A classe política continua a sua queda no abismo. Um bando de rapazolas armados em gente grande que falam como se soubessem alguma coisa daquilo que falam. Para agravar este quadro, aquele que poderia ser o referencial de credibilidade da classe, Mário Soares, mostra a todo o país adiantado estado de senilidade.
  • As fundações continuam a sua vida regalada. À boa maneira portuguesa, a sanha perseguidora do governo ficou-se por uns arranhões e, mais uma vez, esquecendo o fundamental. O foco deteve-se nas transferências do OE em vez de atacarem o grande "prato" destas instituições: a não tributação.
  • O enxame de ex-políticos a comentar a actualidade  é a nova praga da nossa televisão. Claro que, em minha opinião, o auge da demência atinge-se com o "Querido líder", também conhecido por José Sócrates. É que não se entende como é possível conceder "tempo de antena" a alguém que tanto mente.
  • Soube ontem do novo emprego de dois ex-governantes: Macário Correia numa empresa pública ligada à valorização de resíduos e Costa Pina na Galp Energia. Apesar de ambos terem curriculum na área onde vão continuar a carreira, estas nomeações são daquelas que nos fazem torcer o nariz! Não esquecemos (eu não o faço) que Macário perdeu o mandato em tribunal por infracções ao PDM de Tavira e Costa Pina é famoso, particularmente, no caso dos swaps mas também por ter responsabilidades na ruinosa renegociação das PPP.
  • Continuamos a privatizar o que é privatizável. Em breve ficaremos apenas com as empresas tóxicas: Carris, STCP, Metro (de Lisboa e Porto) e pouco mais. Não sou dos que defende a intervenção do Estado na economia, antes pelo contrário, mas o que fica é a sensação que há sempre algo escondido atrás das privatizações. Os CTT, por exemplo, irão continuar a receber a instalação das lojas de cidadão?
  • Muito se falou, por exemplo, da privatização dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo. Estranho ninguém se ter perguntado o que motivou os governantes a manter uma empresa que quanto mais trabalhava mais dinheiro perdia!!!! Isso não ouvi questionar.
  • Notícia dos últimos dias: salários em atraso e despedimentos na USB. Até aqui tudo normal não fosse esta a sigla da União dos...SINDICATOS de Braga, afecta à CGTP!!!! Afinal está tudo ao contrário, não?
  • Querem ver que depois de tanta asneirada, trapalhada, peixeirada protagonizadas pela coligação o Tó-Zé ainda vai perder as eleições de 2015? É preciso ser-se muito nabo!!!!
Que dizer mais?
É Portugal! Continuamos a não nos levar a sério.
Até já!


Comentários

  1. Caro amigo,
    Escreve, a gente agradece!
    Na minha opinião, se conseguirmos sair do plano de assistência (e cada vez isso é mais provável!), o PS vai ter muitas dificuldades para ganhar as eleições. Nunca pensei estar, nesta altura, a escrever isto…
    Mas, se me permites, o que me preocupa é que todos os sacrifícios que nos foram impostos são estruturalmente irrelevantes e apenas serviram para reduzir pontualmente a despesa. A única medida concreta e definitiva foi a reforma do mapa das freguesias, que tenho muitas dúvidas que produza qualquer poupança (menos 25% de freguesias mas, no entanto, unidades maiores e, como tal, com cargos a tempo inteiro, logo, com maiores custos estruturais).
    Não houve reforma administrativa. Há gente a mais na função pública e todos sabemos isso. Mas quem toma a responsabilidade de despedir? Quem assume o peso político? Dificilmente conseguiremos reduzir à despesa com salários e ela pesa muito no orçamento de estado.
    Privatizaram-se as empresas que davam lucro e deixou-se as que apresentam, consecutivamente, prejuízo. Disse-me, há uns tempos, um Sr. Deputado, que os trabalhadores dos estaleiros navais de Viana do Castelo ganhavam 17 salários anuais. A ser verdade, porque não nos é dada esta informação? Talvez se explique a dificuldade em conseguir resultados positivos…
    Continua-se a pensar a política ao mandato. 4 anos! Se não evoluirmos para um planeamento a médio prazo (10 anos no mínimo), não vamos a lado nenhum.
    As alterações fiscais realizadas foram no sentido de aumentar as taxas e não de fazer crescer a base de tributação. Com uma economia paralela que vale mais de 25% do PIB, acho que seria mais acertado criar incentivos para que todos nós tivéssemos vontade de pedir faturas. Um exemplo: compramos casa e necessitamos de mobília. Para quê pedir fatura, se não podemos deduzir a despesa? Não seria melhor o estado permitir, anualmente, uma determinada percentagem de dedução em função dos rendimentos efetivos?
    Enfim, podia ficar aqui o dia todo…
    Estou sinceramente preocupado. Acho que os esforços feitos de nada serviram e depressa voltaremos ao mesmo. Mudar, mudar, mudámos nós, o Povo. Ganhamos menos e gastamos menos. Isso sim, acho que não vai mudar!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Obrigado pelo seu contributo.

Mensagens populares deste blogue

SELVAGENS!!!!

Imagem retirada de http://cm-fafe.pt
Volto a este espaço, há muito deserto, para expressar a minha repulsa pelas atitudes do Município de Fafe no abate arbitrário de árvores no espaço urbano.
Não há qualquer relatório que justifique estes atentados que quem nos governa (?) tem praticado até porque aquele que, supostamente escuda este "crime" não diagnostica nenhuma doença insanável. É terrorismo puro e simples que procura respaldo em técnicos de uma instituição respeitada.
Quem quiser ler o relatório encontrá-lo-á aqui .
Não está em questão o valor do património natural destes espécimes mas mais uma acção que demonstra a insensibilidade que habita na 5 de Outubro e que tinha sido bem demonstrada no ataque às árvores da Praça da Liberdade. 
Aproveito a oportunidade para lembrar que a Praça 25 de Abril sofreu uma profunda requalificação há não muito tempo e quem perder um bocadinho de tempo a ler o relatório de conforto que o Município divulgou constatará que os problemas san…

A MINHA LEITURA

Raúl Cunha ganhou!

Mais do que o PS. Mais do que a família Summavielle. Mais do que o "PS de Lisboa". Quem fez a diferença nestas eleições foi mesmo Raúl Cunha. O mais político dos não-políticos deu uma lição aos catedráticas dessa arte.
Numa noite eleitoral em que não vislumbro claros derrotados e em que, após uma campanha com episódios lamentáveis (especialmente nas redes sociais), a pequena diferença entre os dois primeiros classificados poderia levantar questões, o que se passou foi de grande maturidade democrática.
Excepção a isso foi um excerto de um comentário da candidata do PS à junta de freguesia de Fafe em que dizia "Lamento que Fafe não queira mais e melhor", demonstrando falta de humildade e de sentido democrático mas desculpável por ter sido proferido muito a quente.
Foi uma boa eleição. Espero que se siga um processo que conduza à governabilidade do nosso concelho. Não, necessariamente, uma coligação parecida com a do último mandato mas que seja enc…

TEMPOS DIFÍCEIS

Com a tomada de posse dos eleitos pelos resultados das eleições autárquicas, inicia-se um novo ciclo político em Fafe.
Adivinham-se dificuldades para o executivo que irá tentar governar em minoria e muito se espera da capacidade conciliadora do Presidente Raul Cunha. Não sendo um político de carreira, este tem demonstrado muita capacidade de "fazer pontes" e logo no discurso de investidura deixou bem claro que é isso que pretende fazer.
Ao contrário do mandato passado, a possibilidade de governar coligado com outra força política parece estar afastada restando, por isso, a negociação permanente de todas as decisões do executivo. O passado mostra que há imensos temas que são consensuais e não se prevê que agora passe a ser diferente.
Há outros temas que são mais discutíveis e é aí que deverão surgir dificuldades. 
Desde logo na constituição dos gabinetes de Presidente e vereadores. Este acto, vulgarmente usado para colocar pessoal político, deverá receber a oposição das rest…