Avançar para o conteúdo principal

O preço da cultura


Sou completamente contra a ideia que a cultura tem de ser oferecida!!!!
O acesso à cultura não pode ter como "contrapartida" um custo para o sector público. Se eu me quero instruir, vou ter um custo para isso. Ponto final.
Cabe-me a mim obter os meios para atingir esse objectivo.
Porque carga de água o Estado há-de oferecer manifestações artísticas?
Porque diabo há-de o Estado oferecer um canal de TV para um público residual e, na sua maioria pertencente a classes média-alta (pela sensação que tenho e não baseado em qualquer estudos de perfil dos espectadores)?
Qual a justificação para uma câmara vender bilhetes para espectáculos com artistas de projecção a 10€ (estando, à partida, garantido que o espectáculo não será auto-sustentável)?
Não entendo!!!!
Como é óbvio os apoios estatais à classe artística estão condenados a ser polémicos. Não há um critério para a sua atribuição que seja consensual e o "caldo" anda sempre entornado.
Há dias circulava um apontamento de João César Monteiro em que o realizador dizia estar a "borrifar-se" (as palavras não eram bem estas) para o público e, descontando o mau-génio do senhor, aquela é uma atitude comum entre uma certa classe artística: independentemente do resultado dos seus projectos, o próximo será subsidiado, por isso, podem ser condescendentes connosco, os pobres contribuintes.
Chamo a isto desbaratar recursos e, num país como o nosso, a relação custo-benefício do projecto é que deve presidir à decisão de atribuir, ou não, o apoio. Não quero aqui dizer que o objectivo seja o lucro económico mas, antes, o lucro social. Dificilmente atribuirei esse estatuto a um filme que tenha um punhado de espectadores ou um livro que não tenha capacidade de impelir os leitores a comprá-lo.
Em todos os regimes surgem os artistas da moda. Por estes dias a artista plástica Joana Vasconcelos tomou o lugar que já foi de Filipe La Féria, José Saramago, Siza Vieira, Eusébio ou Amália Rodrigues. Normalmente, os apoios não aparecem em início de carreira mas quando, fruto do seu trabalho, já gozam de um estatuto de "estrela".
Outra alteração dos últimos tempos é a entrada de grandes produtores (à nossa escala, claro) no meio artístico fazendo deste um negócio numa época em que a falta de mecenas e\ou patrocinadores obriga a bilheteira a ser o factor crítico de sucesso de um evento como uma...exposição de arte. Ou seja, se o produto não for atractivo, não terá público e o promotor terá prejuízo.
Diferente, não?
Até já!

Comentários

  1. É fácil falar assim, quem tem e sempre teve dinheiro para aceder a todos as formas de cultura. O seu pensamento é um pensamento que cria cada vez mais as desigualdades sociais.

    ResponderEliminar
  2. É verdade que não conheci, até agora, dificuldades económicas mas desde quando isso é uma garantia de aculturação?
    Posso dizer-lhe que conheço tanta gente culta oriunda das classes sociais mais baixas como das mais altas. A cultura não tem um preço de aquisição. Requer muito trabalho sem que isso seja sinónimo de despesa. Ainda assim, concordo consigo que o desafogo financeiro pode ser facilitador. Mas que outras coisas na vida não o são?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acha que as pessoas podem pagar espetáculos culturais a 30, 40, 50 e mais euros? Porque critica a CMF por colocar artistas no Cineteatro a 10 Eur? Não é uma forma colocar a cultura ao serviço dos pessoas por preços acessíveis? Que eu saiba a Camara tem as contas em dia.

      Eliminar
    2. Não é nada disso que defendo. Defendo um preço justo pelo espectáculo a que vamos assistir. No caso dos concertos íntimos, que refere, defendo bilhetes a 25- 30€, sim. Ainda assim as despesas não ficariam cobertas, caso não saiba. A cultura não deve ser para dar lucro mas não pode ser um buraco onde se despejam euros. O município tem situação financeira equilibrada mas também tem falta de muita coisa. Saneamento, por exemplo!!!!

      Eliminar

Enviar um comentário

Obrigado pelo seu contributo.

Mensagens populares deste blogue

SELVAGENS!!!!

Imagem retirada de http://cm-fafe.pt
Volto a este espaço, há muito deserto, para expressar a minha repulsa pelas atitudes do Município de Fafe no abate arbitrário de árvores no espaço urbano.
Não há qualquer relatório que justifique estes atentados que quem nos governa (?) tem praticado até porque aquele que, supostamente escuda este "crime" não diagnostica nenhuma doença insanável. É terrorismo puro e simples que procura respaldo em técnicos de uma instituição respeitada.
Quem quiser ler o relatório encontrá-lo-á aqui .
Não está em questão o valor do património natural destes espécimes mas mais uma acção que demonstra a insensibilidade que habita na 5 de Outubro e que tinha sido bem demonstrada no ataque às árvores da Praça da Liberdade. 
Aproveito a oportunidade para lembrar que a Praça 25 de Abril sofreu uma profunda requalificação há não muito tempo e quem perder um bocadinho de tempo a ler o relatório de conforto que o Município divulgou constatará que os problemas san…

Grato pela atenção

Ao fim de 7 meses e 10.000 visualizações, sinto-me honrado pela atenção que dezenas de pessoas entendem dedicar aquilo que escrevo aqui. 
Confesso que, à partida, não tinha quaisquer expectativas acerca do impacto que a minha intervenção iria gerar ou do interesse que poderia suscitar. Foram vários os temas que foquei. Uns de carácter mais pessoal que reflectem o comprometimento que estabeleci. Outros de carácter mais interventivo, fruto da minha faculdade de pensar e ter opinião.
Reafirmo o meu compromisso de fidelidade às minhas ideias e à verdade. Doa a quem doer e sem medo de enfrentar, olhos nos olhos, quem, eventualmente, se sinta desconfortável com os meus textos. Nunca entrei, nem entrarei, em questões pessoais e a minha análise será sempre aos aspectos públicos de pessoas ou instituições.
Não posso deixar passar sem agradecer os vossos comentários (mantenho os comentários totalmente abertos e livres), as palavras de incentivo que muitos de vós me entregam quando nos encontram…

A Quinta do Confurco

Há uns anos atrás o município de Fafe adquiriu a chamada "Quinta do Confurco" para, ao que diziam, evitar que aí fosse plantada uma extensa área de eucaliptal. Iniciativa de louvar quer pela preservação da identidade da paisagem quer pela protecção daquela área em relação aos incêndios florestais (essa praga que, oportunamente, abordarei neste espaço).
Em 2012 novo passo foi dado para devolver aquele espaço à paisagem serrana: a reflorestação com espécies autóctones, projecto apoiado por verbas do "PRODER" e envolvendo a população nesse propósito. Até aqui tudo foi bem feito e, embora não tivesse sido pensado, a reacção a uma espécie de agressão foi rápida e incisiva. As minhas inquietações começam agora.  Quais são os planos do município para aquele activo (um grande activo, reforço) do nosso concelho? Antes de mais, na minha opinião, a defesa contra os já referidos incêndios deverá ser a maior preocupação.
Sabendo que o Turismo de Natureza é uma vertente que est…