Avançar para o conteúdo principal

Novo fôlego

Retirado de http://cm-fafe.pt/
Foi recentemente anunciado o iminente arranque de uma nova  intervenção no parque da cidade.

Alterar o actual estado do espaço é, em si, uma coisa positiva. Também já todos sabemos que aquilo que se vai fazer é muito limitado pelas disponibilidades financeiras do município e de fundos comunitários. Anoto como positiva a determinação de avançar, apesar dessa grande condicionante. Como complemento desta, registo, ainda, a notícia de melhoramentos a implementar na barragem de Queimadela ainda para esta próxima época balnear.

O parque, em conjunto com a ciclovia (que considero das melhores coisas feitas em Fafe) poderão representar um novo fôlego para a qualidade de vida dos fafenses e eliminar um dos pontos negros da nossa cidade.

Rejeitado o projecto inicial que previa uma multiplicidade de equipamentos naquele espaço, a filosofia desta empreitada vai no sentido de dotar a cidade de uma mancha verde. Pelo que sei, não foram abandonados alguns projectos de instalações desportivas, como os courts de ténis e a nova piscina municipal que só não avançarão por falta de cabimento orçamental.

É aqui que eu discordo com o município por achar que esses equipamentos vão criar uma grande pressão sobre o espaço. Essa pressão já é exercida pelo pavilhão multi-usos, pela escola montelongo e será amplificada se a opção for por tornar aquele um parque desportivo. Falo de pressão urbanística mas, também, de pressão de tráfego automóvel. Manifestei esta preocupação na consulta pública realizada no final do mandato do anterior executivo e mantenho-a.

Devo, ainda, chamar a atenção para a necessidade de um investimento no sentimento de segurança dos utilizadores atingível com uma boa iluminação, espaços amplos minimizando os recantos, policiamento atento e manutenção cuidada. Este será o melhor caminho para permitir colocar o Parque no “coração” da população.

Até já!!!!




Comentários

  1. Aqui há anos, uns queridos amigos de Fafe ficaram muito escandalizados comigo quando lhes tentei explicar as substanciais diferenças entre um "parque da cidade" e um parque de estacionamento. Até dei exemplos - basta vir ao Porto. Mas em Fafe parece que a confusão continua...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em Fafe serve mais como uma variante a quem não quer passar no centro mas, no essencial, comungo da tua visão.

      Eliminar
  2. Há mais de 10 anos (não posso precisar a data) escrevi no "Correio de Fafe" o texto abaixo.
    Será que vale a pena continuar a falar sobre as coisas!?

    "O Parque da Cidade – essa “coisa”

    Quando, aqui há uns anos atrás, ouvi falar de um projecto de um parque, em Fafe, logo pensei num lugar aprazível, onde as pessoas pudessem ir passear com a família toda, onde o verde fosse a cor dominante, um sítio que fosse agradável de visitar e nos desse vontade de lá voltar. Um parque, por definição, deveria ser um local de convívio, de lazer, de desfrute dos poucos momentos que temos para nós.

    Comecei a ficar algo céptico perante a enumeração das valências que lá iriam ser implantadas. Ainda assim, pensei eu, há margem de manobra para se fazer uma obra que vá de encontro às necessidades e anseios da população mais urbana e mais ávida deste tipo de espaços.
    Na altura em que foi apresentada a maqueta do referido parque mantive a opinião embora confesse a minha falta de sensibilidade para este tipo de representação.

    Tenho acompanhado com bastante interesse a evolução da obra e...DESILUSÃO. O espaço lúdico que tinha idealizado está a léguas de ser lá retratado. A visão idílica de um espaço natural, bem cuidado, não vai lá estar desenhado. O “paraíso” com que sonhava só tem correspondência nos anseios dos consumidores de drogas. O verde que, na minha maneira de ver, deveria predominar neste lugar, só dominará à custa dos “grafitti”.

    Uma obra que tinha tudo para dar certo foi desbaratada pelo excesso de vontade de intervir de algum arquitecto ávido de protagonismo. Não se deve querer fazer curriculum com projectos cuja primordial preocupação deveria ser servir a população. O bom senso e o bom gosto deveriam imperar acima das perspectivas de carreira ou da megalomania de algum técnico pago com dinheiro que é de todos nós.

    Não se deve esquecer a responsabilidade de quem, em última análise, é responsável por aquele monte de betão que ali foi “plantado”. É a Câmara Municipal de Fafe quem tem a responsabilidade de mandar avançar com aquela “coisa” e de arranjar o dinheiro para a sua implementação, em prejuízo de outros investimentos. É a mesma Câmara que se queixa de estar manietada pelas restrições de acesso ao crédito para cumprir os seus compromissos eleitorais, que investe num aglomerado de betão o que poderia ser aplicado noutras áreas.

    Eu sei que o projecto não foi executado sob as ordens deste executivo mas também sei que foi “bandeira” acenada na altura da campanha eleitoral. Acresce o facto que na altura do primeiro mandato eventuais alterações estariam em muito boa altura para serem introduzidas. Daí, concluo que a actual gestão camarária esteja orgulhosa da “coisa” que ali está a desenvolver.

    Agora que o que não tem remédio, remediado está, espero que daqui se tirem importantes lições para o futuro e que outras intervenções desta natureza sejam entregues a técnicos mais competentes e com um menor ego."

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não percebo nada de obras, nem de economia, nem de finanças (na verdade, não percebo nada de tudo), mas tenho a ideia de que - comparando os preços da erva e da terra com os preços do alcatrão e do betão - fazer bem um parque da cidade sai muito mais barato do que fazer mal um parque da cidade.

      Eliminar

Enviar um comentário

Obrigado pelo seu contributo.

Mensagens populares deste blogue

SELVAGENS!!!!

Imagem retirada de http://cm-fafe.pt
Volto a este espaço, há muito deserto, para expressar a minha repulsa pelas atitudes do Município de Fafe no abate arbitrário de árvores no espaço urbano.
Não há qualquer relatório que justifique estes atentados que quem nos governa (?) tem praticado até porque aquele que, supostamente escuda este "crime" não diagnostica nenhuma doença insanável. É terrorismo puro e simples que procura respaldo em técnicos de uma instituição respeitada.
Quem quiser ler o relatório encontrá-lo-á aqui .
Não está em questão o valor do património natural destes espécimes mas mais uma acção que demonstra a insensibilidade que habita na 5 de Outubro e que tinha sido bem demonstrada no ataque às árvores da Praça da Liberdade. 
Aproveito a oportunidade para lembrar que a Praça 25 de Abril sofreu uma profunda requalificação há não muito tempo e quem perder um bocadinho de tempo a ler o relatório de conforto que o Município divulgou constatará que os problemas san…

A MINHA LEITURA

Raúl Cunha ganhou!

Mais do que o PS. Mais do que a família Summavielle. Mais do que o "PS de Lisboa". Quem fez a diferença nestas eleições foi mesmo Raúl Cunha. O mais político dos não-políticos deu uma lição aos catedráticas dessa arte.
Numa noite eleitoral em que não vislumbro claros derrotados e em que, após uma campanha com episódios lamentáveis (especialmente nas redes sociais), a pequena diferença entre os dois primeiros classificados poderia levantar questões, o que se passou foi de grande maturidade democrática.
Excepção a isso foi um excerto de um comentário da candidata do PS à junta de freguesia de Fafe em que dizia "Lamento que Fafe não queira mais e melhor", demonstrando falta de humildade e de sentido democrático mas desculpável por ter sido proferido muito a quente.
Foi uma boa eleição. Espero que se siga um processo que conduza à governabilidade do nosso concelho. Não, necessariamente, uma coligação parecida com a do último mandato mas que seja enc…

TEMPOS DIFÍCEIS

Com a tomada de posse dos eleitos pelos resultados das eleições autárquicas, inicia-se um novo ciclo político em Fafe.
Adivinham-se dificuldades para o executivo que irá tentar governar em minoria e muito se espera da capacidade conciliadora do Presidente Raul Cunha. Não sendo um político de carreira, este tem demonstrado muita capacidade de "fazer pontes" e logo no discurso de investidura deixou bem claro que é isso que pretende fazer.
Ao contrário do mandato passado, a possibilidade de governar coligado com outra força política parece estar afastada restando, por isso, a negociação permanente de todas as decisões do executivo. O passado mostra que há imensos temas que são consensuais e não se prevê que agora passe a ser diferente.
Há outros temas que são mais discutíveis e é aí que deverão surgir dificuldades. 
Desde logo na constituição dos gabinetes de Presidente e vereadores. Este acto, vulgarmente usado para colocar pessoal político, deverá receber a oposição das rest…