Avançar para o conteúdo principal

Pensar Fafe

Imagem retirada da internet

Uma das minhas maiores críticas aos poderes instalados é a pouca abertura a ideias que venham de fora da sua "entourage". Não sendo os nossos eleitos os donos do saber, penso que seria de todo aconselhável que abrissem uma discussão sobre as melhores ideias para um desenvolvimento sustentável e harmonioso.

Claro que entendo que há um programa para cumprir. Esse programa foi apresentado, votado e eleitos os seus proponentes. Também sei que são muito poucas as pessoas que lêem esses documentos. Tenho como exemplo as últimas autárquicas em que me vi obrigado a pedir às diversas forças políticas o "favor" de me enviarem o seu programa!!!!

Para além disso, os programas são documentos políticos que estão formatados para captar votos e não para pensar o território como suporte da vida em sociedade. Só uma visão externa mas interessada, racional mas apaixonada, será capaz de, sem a pressão do tempo e das agendas, pensar convenientemente estratégias de desenvolvimento.

Em vésperas de conhecermos as orientações do novo Quadro Comunitário de Apoio era boa altura para se lançar uma grande discussão sobre aquilo que queremos para Fafe em 2020-2030.

Essa iniciativa teria, necessariamente, de emanar da dita "sociedade civil", terá sempre de envolver uma grande mole de pessoas, muito diferentes entre si, com formas muito díspares de pensar com um único elo entre elas: o amor à sua cidade.

Essa diversidade seria a verdadeira riqueza desta "empreitada" e ao poder político estaria reservada a tarefa de participar activamente com a sua visão, de “alimentar” de informação e dados claros mas deverão ter o desprendimento de rejeitar a liderança, coordenação ou iniciativa deste projecto.

Eu, pela minha parte, estou disponível para desempenhar o meu papel, contribuindo com as minhas ideias, as minhas competências, essencialmente, na minha área de formação: o turismo.

Haverá mais gente disponível?

Até já!!!!


Comentários

  1. Caro Ricardo,
    É uma ideia óptima. Manifesto a minha disponibilidade para ajudar e participar, assim consideres útil.
    Creio que se deverá começar já e, desde logo, procurando saber quais os critérios que estão na base da revisão ao PDM, discutindo-os e, sendo possível, influenciando positivamente as opções seguidas.
    Alerto para a mais que provável recusa do poder em discutir estes assuntos!

    ResponderEliminar
  2. Gosto do comentário do Hernâni... vai-se lá saber porquê?!?!?!?!?
    Gostar da nossa terra, leva-nos a escrever muitas coisas sobre ela, vejam lá, até dar ideias aos políticos o que deveria ser feito... E, ao que se tem assistido, não hesitam em pegar nelas se encontram a sua viabilidade... pois bem, quando precisam não vêm ter connosco mas procuram gabinetes próprios e pagam-lhes a peso de ouro! Ainda me lembro quando escrevia que era preciso Produção Cultural para Fafe... porque já havia programação... Se querem melhor, escolham os melhores... ou paguem avenças como fazem com os outros...

    ResponderEliminar
  3. Quase sempre, em qualquer regime político, quando a sociedade civil emerge com força, forma e conteúdo, os poderes instalados grunhem e inquietam-se Podemos ousar dar-lhe algumas pérolas, serão certamente mais estruturadas e amadas, que as avençadas. Se eles saberão depois, compor o "colar", aí é que já tenho dúvidas...

    Clara Paredes Castro

    ResponderEliminar
  4. Viva,

    Deixo aqui link sobre os novos Programas Operacionais, Temáticos e Regionais – versões preliminares para download:

    http://www.ccp.pt/CCP/pt-PT/CCP.aspx (posições/documentos)
    http://www.ccp.pt/CCP/pt-PT/25/1128/Doc1.aspx
    http://www.ccp.pt/HttpHandlers/File.ashx?ID=980&CID=1128

    Boas reflexões.
    Luís Carvalho

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Obrigado pelo seu contributo.

Mensagens populares deste blogue

SELVAGENS!!!!

Imagem retirada de http://cm-fafe.pt
Volto a este espaço, há muito deserto, para expressar a minha repulsa pelas atitudes do Município de Fafe no abate arbitrário de árvores no espaço urbano.
Não há qualquer relatório que justifique estes atentados que quem nos governa (?) tem praticado até porque aquele que, supostamente escuda este "crime" não diagnostica nenhuma doença insanável. É terrorismo puro e simples que procura respaldo em técnicos de uma instituição respeitada.
Quem quiser ler o relatório encontrá-lo-á aqui .
Não está em questão o valor do património natural destes espécimes mas mais uma acção que demonstra a insensibilidade que habita na 5 de Outubro e que tinha sido bem demonstrada no ataque às árvores da Praça da Liberdade. 
Aproveito a oportunidade para lembrar que a Praça 25 de Abril sofreu uma profunda requalificação há não muito tempo e quem perder um bocadinho de tempo a ler o relatório de conforto que o Município divulgou constatará que os problemas san…

Grato pela atenção

Ao fim de 7 meses e 10.000 visualizações, sinto-me honrado pela atenção que dezenas de pessoas entendem dedicar aquilo que escrevo aqui. 
Confesso que, à partida, não tinha quaisquer expectativas acerca do impacto que a minha intervenção iria gerar ou do interesse que poderia suscitar. Foram vários os temas que foquei. Uns de carácter mais pessoal que reflectem o comprometimento que estabeleci. Outros de carácter mais interventivo, fruto da minha faculdade de pensar e ter opinião.
Reafirmo o meu compromisso de fidelidade às minhas ideias e à verdade. Doa a quem doer e sem medo de enfrentar, olhos nos olhos, quem, eventualmente, se sinta desconfortável com os meus textos. Nunca entrei, nem entrarei, em questões pessoais e a minha análise será sempre aos aspectos públicos de pessoas ou instituições.
Não posso deixar passar sem agradecer os vossos comentários (mantenho os comentários totalmente abertos e livres), as palavras de incentivo que muitos de vós me entregam quando nos encontram…

A Quinta do Confurco

Há uns anos atrás o município de Fafe adquiriu a chamada "Quinta do Confurco" para, ao que diziam, evitar que aí fosse plantada uma extensa área de eucaliptal. Iniciativa de louvar quer pela preservação da identidade da paisagem quer pela protecção daquela área em relação aos incêndios florestais (essa praga que, oportunamente, abordarei neste espaço).
Em 2012 novo passo foi dado para devolver aquele espaço à paisagem serrana: a reflorestação com espécies autóctones, projecto apoiado por verbas do "PRODER" e envolvendo a população nesse propósito. Até aqui tudo foi bem feito e, embora não tivesse sido pensado, a reacção a uma espécie de agressão foi rápida e incisiva. As minhas inquietações começam agora.  Quais são os planos do município para aquele activo (um grande activo, reforço) do nosso concelho? Antes de mais, na minha opinião, a defesa contra os já referidos incêndios deverá ser a maior preocupação.
Sabendo que o Turismo de Natureza é uma vertente que est…